Livro russo das raças alienígenas pdf

Livro russo das raças alienígenas pdf é um artigo destacado. Clique aqui para mais informações. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Laika morreu entre cinco e sete horas depois do lançamento, bem antes do planejado. Nessa época, os russos já construíam um satélite mais sofisticado que, porém, só estaria pronto após um mês da data requerida. Foi necessário, então, construir outro satélite mais simples para poder cumprir a data limite de novembro. A apressada construção do Sputnik 2 foi complicada em razão da pretensão de levar um animal vivo em seu interior. C, para manter a temperatura do animal.

Também foi feito um traje espacial para Laika. O animal foi equipado com uma bolsa para armazenar seus dejetos, e com uma cadeirinha que limitava seus movimentos ao sentar-se, pôr-se de pé ou encostar-se, já que na cabina não havia espaço para dar voltas. Os cães capturados eram mantidos num centro de investigação nesta cidade, e três deles foram avaliados e treinados para as demandas da missão: Laika, Albina e Mushka. Esta missão exigia uma atenção especial ao treinamento dos cães, já que a duração do voo exigia dos animais uma adaptação em permanecer em espaços confinados por um período maior. Albina foi lançada duas vezes em um foguete para provar sua resistência nas grandes alturas, e Mushka foi utilizada para o teste da instrumentação e dos equipamentos de suporte vital. Laika foi selecionada para participar da missão orbital, e Albina como a principal substituta. O treinamento consistia em acostumar os cães ao ambiente que encontrariam na viagem, como o espaço reduzido da cápsula, os ruídos, vibrações e acelerações.

A adaptação dos animais ao confinado espaço do Sputnik 2 exigiu que permanecessem em compartimentos cada vez menores por até vinte dias. O confinamento forçado provocou distúrbios nas funções excretoras dos animais, incrementando sua agitação e deteriorando sua condição física geral. Modelo do Sputnik 2, a nave espacial de Laika. Dado que as temperaturas no local de lançamento eram extremamente baixas, a cápsula requereu conservação térmica, através de um aquecedor externo e de uma mangueira. Dois assistentes estavam encarregados de vigiar Laika constantemente antes do começo da missão. 103 a 240 batimentos por minuto. Ao alcançar a órbita, a ponta cônica do Sputnik 2 desprendeu-se com sucesso.

Os dados telemétricos iniciais mostravam que, ainda que Laika estivesse agitada, estava comendo. A recepção de dados vitais parou entre cinco e sete horas depois da decolagem. Todo mundo acreditava que o animal levava alimento suficiente e sua condição era estável, pelo que muitas pessoas estiveram esperando o regresso de Laika. Laika havia caído na cidade.

Os habitantes da zona suburbana viram descer um cão de para-quedas, e eles se convenceram naquele momento de que se tratava de Laika. Quando o animal chegou em terra, se comprovou que na realidade se tratava de um cão macho, e a montagem não era mais que uma brincadeira para aproveitar-se da neurose coletiva das “cadelas voadoras”. O Sputnik 2 não estava preparado para regressar à Terra de forma segura, pelo que já se sabia que Laika não sobreviveria à viagem. Laika consumiria depois de dez dias. No entanto, isso não ocorreu como planejado. Laika sobreviveu pelo menos quatro dias, e depois pereceu por causa do superaquecimento da nave.

Dimitri Malashenkov, que participou no lançamento do Sputnik 2, revelou que Laika havia morrido entre cinco e sete horas depois da decolagem, devido ao estresse e superaquecimento. Foi praticamente impossível criar um controle de temperatura confiável em tão pouco tempo”. 163 dias e 2570 órbitas em volta da Terra. Depois de Laika, nenhuma outra missão tripulada por cães foi lançada sem que existisse um sistema para o retorno seguro do animal. Laika eram temas muito pouco mencionados.